Em reunião ocorrida nesta segunda-feira (20), na área Social do Gran Society, na Vila Permanente, entre o prefeito Artur Brito e demais gestores do Consórcio dos Municípios Paraenses Alagados pelo Rio Tocantins (COMPART), com intermédio do Ministério Público Estadual, ficou decidido que o repasse das verbas pendentes da Eletronorte, oriundas da compensação ambiental, serão aplicadas nos serviços de saúde de cada município, e 10% do valor total será destinado à criação do 1° centro de hemodiálise em Tucuruí, no Hospital Regional.

“Queremos usar esse recurso para fortalecer o nosso sistema municipal de saúde, para que as pessoas tenham mais possibilidades de atendimento e que não precisem se deslocar para outras cidades”, disse o prefeito Artur Brito.

De acordo com o Secretário Executivo do COMPART, Calos Vieira, o valor que a Eletronorte deve pagar corresponde a R$ 143 milhões de reais. “Esse valor será dividido entre os 12 municípios afetados pela barragem, onde sete compõem o COMPART e cinco às cidades localizadas à jusante da hidrelétrica”, explica.

Anteriormente, em outras reuniões, os prefeitos destinariam recursos ao Hospital Regional de Tucuruí, para a criação de uma ala com mais condições de atendimento aos pacientes de todas as localidades do entorno do lago, suspeitos ou confirmados de Coronavírus. No entanto, tendo em vista a intenção do Governo do Estado do Pará em implementar nova gestão administrativa no HRT, no sentido de passar a funcionar como Organização Social (O.S), onde terá, então, uma gestão mista, Empresa Privada e o Governo do Estado, os prefeitos chegaram a conclusão de que o valor seja destinado aos municípios para uso exclusivo na saúde.

A decisão tomada pelos prefeitos será oficializada e encaminhada ao Governo do Estado e a Eletrobrás, em Brasília.